sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Danny Roberts, a nova geraçao da Pop Art!

Bem, quem é ligado em arte já deve ter ouvido falar de Andy Warhol, o reinventor da Pop Art, que se revelou como ilustrador de famosas revistas como Vogue, Harper's Bazaar e The New Yorker na década de 50, além de fazer anúncios publicitários e displays para vitrines de lojas. Os múltiplos serigráficos de Warhol foram temas do quotidiano e artigos de consumo, como as reproduções das latas de sopa Campbell e a garrafa de Coca-Cola, além de rostos de figuras conhecidas como Marilyn Monroe, Liz Taylor, Elvis Presley, Che Guevara e símbolos icônicos da historia da arte, como Mona Lisa. Estes temas eram reproduzidos serialmente com variações de cores.



Reproduçao/Andy Warhol


Andy Warhol e Edie Sedgwick


No mesmo seguimento da arte pop surgiram alguns artistas que se revelaram, como o pernambucano Romero Britto, que começou a desenhar aos 8 anos de idade e apenas com 14 anos fez sua primeira exibição publica e vendeu seu primeiro quadro à Organização dos Estados Americanos. Embora encorajado por este sucesso precoce, as condições modestas de sua vida o motivaram a estabelecer metas e a criar seu próprio futuro. Frequentou escolas publicas, recebeu bolsa de estudos para uma escola preparatória e aos 17 anos entrou para a Universidade Católica de Pernambuco, no curso de Direito. Viajou para a Europa e desde então Romero realizou seu sonho de criança pobre do Nordeste do Brasil, ficou conhecido por sua obra. Infelizmente, Britto não é tão reconhecido no Brasil, somente no exterior, ele é queridinho de muitas celebridades, e nome fácil nas altas rodas da arte contemporânea.


Hug Too by Romero Britto. Reproduçao/Romero Britto


Romero com uma de suas obras



Eis que surge Danny Roberts, ilustrador profissional, fotografo e designer gráfico formado no sul da Califórnia. Roberts é graduado em fotografia pela Cal Poly San Luis Obispo e transferido para a Academy of Art University (AAU) para estudar Ilustração de Moda. Enquanto na Cal Poly, Danny participou do Júri Anual de Estudantes de Arte e Design e venceu a categoria de freelance. Várias de suas peças estavam em exposição na Escola AAU de moda na primavera de 2007, e ele ilustrou o Lookbook de 2008 da Nova York Fashion Week. O Sr. Roberts foi escolhido como a primeira carteira de destaque na geração de WGSN para 2007, uma vitrine única de graduar-se talentos das universidades mais importantes do mundo e faculdades de design. Sua obra tem sido destaque em publicações em mais de nove países diferentes e Danny também é o criador de um blog muito bem sucedido, que recebeu mais de 460.000 visitantes originais desde seu início em meados de 2008.


Kate Moss by Danny Roberts


Danny Roberts

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Cabelo pra copiar

Reprodução/Chanel

Penteado das modelos no ultimo desfile da Chanel

Depois dos tailleurs repaginados, dos vestidos-camisola boudoir chic e de Baptiste, Lara e Freja no feno, o que mais me encantou no ultimo desfile da label de mademoisele Coco, foram os penteados das modelos. Aqueles perfeitamente desarrumados, sabe? Com uma pegadinha camponesa.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Adeus a Irving Penn, o "Garoto da Capa"

Vogue de maio de 1946

Capa da Vogue de Novembro de 1946


Lisa Fonssagrives da Vogue de Maio de 1952





Irving Penn/Reprodução
Carolyn Murphy e Carol Trentini posaram para o fotógrafo

Foi-se um dos grandes. Irving Penn morreu no ultimo dia 7, aos 92 anos. Ele foi um dos maiores fotógrafos do século XX, reconhecido por seu perfeccionismo e controle técnico da pré-produção à impressão de suas fotos. Pra moda, tornou-se um grande nome a partir de sua entrada na “Vogue” norte-americana, mudando a forma de retratar roupas e comportamento.

A partir de 1943, quando começou a trabalhar na publicação, 150 capas foram assinadas por ele, numa colaboração que durou 50 anos e começou com uma troca de favores. Formado em Artes Plásticas, o então assistente de Brodovitch da “Harper’s Bazaar” foi pro México pra investir na carreira de pintor, indicando Alexander Liberman para ocupar seu posto de diretor de design na Saks Fifth Avenue. Quando voltou aos EUA, Liberman era diretor de arte da Vogue e ofereceu a Irving um emprego como seu assistente.

Como designer responsável pelas capas da revista, muitas vezes Irving Penn encontrava dificuldade em conseguir que os fotógrafos executassem seus projetos. Foi aí que resolveu entrar em estúdio e fazer ele mesmo as fotos, com apoio de Liberman. Sua 1ª capa foi uma natureza morta supercolorida com um par de luvas, um lenço e uma bolsa com frutas, em outubro de 1943. Anos depois foi enviado pela Vogue a Paris, para fotografar as coleções de alta-costura. Sua imagem de moda estatizada realçava as roupas e a expressão das modelos e os fundos infinitos serviam como a moldura perfeita para a priorização de seus objetos.

Em 1947 conheceu uma das grandes modelos dos anos 40 e 50, Lisa Fonssagrives, durante uma sessão de fotos para retratar as 12 mulheres mais bonitas e fotografadas da época. Em 1950 sua relação com a moda se oficializou no casamento com Lisa, uma parceria de 42 anos, até a morte dela, em 1992.

O fotógrafo elevou as imagens da Vogue ao nível de obras de arte e trabalhou com as editoras mais poderosas da moda americana, como Diana Vreeland e Anna Wintour. Anna não poupa elogios ao amigo: “Durante minha carreira, não conheci ninguém que trabalhasse com o intenso nível de imaginação e economia de Irving Penn. Suas fotos eram tão esquisitas e eletrizantes no último ano de sua vida quanto eram em 1943, quando ele começou.”



Pablo Picasso by Irving Penn




Gisele Bundchen by Irving Penn



Kate Moss by Irving Penn

Fonte: Lilian Pacce

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Anjulie, nova Amy?

Amy Winehouse já inspirou Karl Lagerfeld e virou trilha sonora de muito desfile com o repertório do disco “Back to Black“. Portanto, é bom prestar atenção no que vem por aí: ela tem tudo pra ser a próxima Amy, com um sonzinho à la Motown, estética retrô e uma voz linda.

Anjulie/Reprodução


Na trilha sonora do último desfile da Dior, uma voz feminina chamou a atenção. Era a música “Boom” de Anjulie, uma cantora canadense que lançou o seu primeiro disco homônimo no dia 04/08 mas já recebe elogios mil da imprensa especializada. Ela parece mais pop que Amy mas com o mesmo apelo da voz poderosa num corpinho mignon. Fisicamente, tem um toque multiétnico à la M.I.A.: seus pais são da Guiana, ela cresceu em Toronto e agora vive em L.A.! No site dela dá pra ouvir trechos das músicas. É só o que tou ouvindo no momento. Adorei!

Fonte: Lilian Pacce

Carão pra Nars

Quando uma menina comemora 15 anos, ela chama suas amigas e faz um baile de debutante, certo? François Nars decidiu comemorar os 15 anos da companhia de produtos cosméticos que leva seu sobrenome chamando os amiguinhos também.



Acontece que os amigos são Naomi Campbell...


Daphne Guinness...




Olivier Theyskens
… E eles se juntaram pra clicar retratos pra um livro comemorativo chamado “15×15“.


Vai daí que os cliques vão do chique, como Amber Valetta à la Catherine Deneuve em “A Bela da Tarde“...



...até o estranho, como Marc Jacobs em clique inspirado em Richard Avedon.



Quem também fez pose foi Amanda Lepore..


E Natasha Poly.


O make dos convidados e as fotos são assinadas por François. O livro em edição limitada será lançado no meio de novembro e ficará a venda apenas por 30 dias no site comemorativo de 15 anos da Nars.


Imagens: Reprodução/Nars
Fonte: Lilian Pacce

domingo, 11 de outubro de 2009

O Hipershow de Chanel


O Grand Palais foi transformado é um celeiro, uma espécie de pano de fundo para a Disneylandia, mas bem melhor, absolutamente alucinante. As plataformas eram de madeira, havia feno em toda parte. A histeria era palpavel.

As meninas começaram a desfilar, pular, lindas e alegres. Quando mais tarde...


Lily
Allen sai de dentro da terra( sim, eu juro) para dar um show. Yaaaahhh



Em seguida Freja, Baptiste e Lara decidem fazer ménage à trois.. Huuummmm

Com
a bençao de Karl Lagerfeld, é claro. Logo depois o motim começou.. Gênio! Perfeito!....
Prince estava na fila A, mas com uma parede de seguranças ao seu redor, que eu nao tenho certeza se ele conseguiu assistir ao desfile.






video

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Moda Paris: Café de Flore, Kate Moss, Gaspar Ulliel, Longchamp, Simone de Beauvoir, Sartre..

Reprodução/LongchampKate Moss contracenou a nova campanha da Longchamp ao lado do ator francês Gaspar Ulliel no mítico Café de Flore.


O Café de Flore fica na boulevard Saint Germain, um dos pontos boêmios da capital francesa. Ele surgiu em 1887 e que ali foram redigidas obras como "Sous le signe de Flore" de Charles Maurras. Era no Flore, por exemplo, que Simone de Beauvoir e Jean Paul Sartre passavam horas com seus amigos e onde vários movimentos intelectuais foram pensados e iniciados, como o Liberté chérie criado em 2001. Esse movimento é uma associação de federações francesas com uma apelação chamada " Liberté, j'écris ton nom" com idéias baseadas na obra "Liberté" de Paul Éluard... Gosto dessas conexões. É um dos objetivos maiores do blog, tirar a moda do banal e tentar mostrar que existem muitas ligações importantes a serem feitas com ela. Assim esvazia-se o lado fútil apenas de belas imagens e enriquecemos o lado pensante das coisas, porquê frufru apenas não rola. Cansa. Esvazia. Eu não tenho intenção de ficar discutindo fofocas e papinhos vazios sobre as celebridades que tomaram conta da moda. Gosto do pensar, do ouvir, do sentir. Amo moda, mas sempre seguindo essa vertente das ligações interessantes que ela faz.